Cálculos renais /

Os cálculos renais ou pedras nos rins, são resultantes da agregação de sais normalmente presentes na urina, que é uma solução complexa. Estes sais podem ser oxalato de cálcio, fosfato de cálcio, ácido úrico, dentre outros. Simplificadamente, se houver água suficiente para diluir a esses sais, as pedras não se formam. Além disso, o nosso corpo elimina na urina algumas outras substâncias, como o citrato, que são capazes de inibir a formação das pedras. Esse é um mecanismo de defesa natural do nosso corpo contra a formação dos cálculos.

Existem alguns fatores de risco para a formação dos cálculos: tomar pouco líquido é o principal. Além disso, consumo excessivo de sal de cozinha, alimentos muito ricos em proteína como carnes, principalmente a vermelha, suplementos de aminoácidos, aumentam o risco de formação dos cálculos. Refrigerantes, alimentos em conserva, também não são recomendados.

Outros fatores de risco importantes: história familiar, obesidade, sedentarismo e estresse prolongado.

As pedras geralmente se formam dentro do rim e não dão sintomas até que acabam descendo pelo canal do ureter e obstruindo a saída da urina deste rim. Nesta situação, pode haver sangramento urinário, dor de forte intensidade na região lombar, náuseas e vômitos. Esse quadro é conhecido como cólica renal.

Pedras de até 5 mm tem maior chance de serem eliminadas espontaneamente. Os pacientes com cólica renal são habitualmente com medicações analgésicas, antiinflamatórias e antieméticas. Antibióticos são necessários em alguns casos.

 

Litotripsia

 

Litotripsia é um tratamento que consiste em quebrar os cálculos. Isso é necessário habitualmente em pedras maiores que 5 mm. Existem algumas técnicas diferentes de litotripsia.

Quando utilizamos um aparelho posicionado fora do corpo do paciente, a técnica é conhecida como extracorpórea. A máquina gera uma onda sonora capaz de penetrar no corpo do paciente e quebrar os cálculos dentro da via urinária. Nesta técnica os cálculos são localizados através de um aparelho de raio x ou de ultrassom. Quando o cálculo se localiza no rim em tem menos que 1,0 cm, as chances de sucesso são maiores.

Se o cálculo já migrou para o canal do ureter, na maioria das vezes utilizamos pequenos endoscopios introduzidos no corpo do paciente através da uretra. São os ureteroscópios. Dessa forma podemos entrar no canal do ureter e alcançar o rim utilizando ureteroscópios flexíveis. Os cálculos são visualizados diretamente através do ureteroscopio e de um sistema de vídeo. Podemos quebrá-los utilizando a energia de um laser ou mesmo aparelhos que se assemelham a pequenas britadeiras.

No caso de cálculos muito grandes, especialmente nos maiores que 2,0 cm, podemos utilizar a cirurgia renal percutânea. Essa cirurgia é feita através de um orificio na região lombar. O cirurgião introduz uma cânula de cerca de 1,0 cm de diâmetro da pele até o interior do rim.  Através dessa cânula, podemos passar um endoscópio no interior do rim. O cálculo é quebrado com laser ou uma pequena britadeira e os seus fragmentos são retirados através dessa cânula. A grande vantagem é poder tratar cálculos maiores e evitar a passagem dos seus pedaços pelo canal do ureter que tem pequeno calibre.

Em todos esses procedimentos pode ser necessário o implante de um dreno no interior do rim, chamado cateter duplo jota. Esse cateter é removido depois que estamos certos de que não sobraram fragmentos do cálculo capazes de obstruir o canal do ureter. Também é necessário quando o canal do ureter fica machucado após qualquer desses procedimentos.

CONTATO /

+55 11 3887-7088 / 7458 / 9103

sac@clinicazequi.com.br

Rua Batataes, 391 • Jd. Paulista • 4º Andar - São Paulo • SP • CEP 01423-010

© COPYRIGHT 2017 - CLÍNICA ZEQUI - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

System Dreams Logo