DISFUNÇÃO ERÉTIL /

A disfunção erétil, mais conhecida popularmente como impotência sexual, é a incapacidade persistente do indivíduo obter  ou manter uma ereção suficiente para completar uma relação sexual satisfatória. A incidência desse transtorno da sexualidade masculina pode chegar a 50% entre homens na faixa etária de 40 a 70 anos de idade, dependendo da população estudada.

Como a sexualidade humana é bastante complexa, as causas do problema são diversas. Os fatores de risco mais comuns são obesidade, tabagismo, colesterol alto, hipertensão arterial, sedentarismo, stress, tratamentos para o câncer de próstata, seja cirúrgico, radioterápico ou medicamentoso, e algumas doenças neurológicas, como lesões da medula espinhal, além de causas psicogênicas.
Na última década, muito se avançou no tratamento. O surgimento de drogas eficazes administradas via oral, as famosas pílulas, tornaram o tratamento mais atraente. Até então, as drogas mais eficazes existentes no mercado eram injetáveis. Apesar de funcionarem muito bem, as injeções trazem mais desconforto e maior risco de efeitos colaterais.

É certo que as medicações não resolvem todos os casos. No entanto, é verdade também que o tratamento cirúrgico, que hoje se baseia no implante de próteses penianas, melhorou significativamente. A indústria vem produzindo próteses cada vez mais confortáveis, seguras e duráveis. As próteses penianas infláveis, capazes de produzir uma ereção bem próxima do natural, representam também um grande avanço.
Outra barreira importante que vem sendo contornada é o preconceito e o número de pacientes à procura da solução desse problema aumenta a cada dia nos consultórios urológicos. Talvez porque as soluções estão mais acessíveis os homens hesitem menos em procurá-las. A chance de sair do consultório decepcionado é bem menor.

Ressaltamos que é importante uma visão holística do paciente e de seu quadro clínico. Por vezes, além de tratamentos medicamentosos ou procedimentos cirúrgicos, pode ser neccessário o apoio psicoterápico.
Muitas vezes, além de distúrbios eréteis o paciente pode ter associadas disfunções do orgasmo e da ejaculação, como a ejaculação rápida, a ejaculação retardada ou a não-ejaculação, além de inibição parcial ou total do desejo sexual.

Outra situação a ser considerada é a questão de possíveis efeitos colaterais de medicações ou disfunções hormonais: Medicações para hipertensão arterial podem alterar a função erétil, medicações para hiperplasia prostática e antidepressivos (ás vezes presentes em fórmulas para emagrecimento) podem interferir nos mecanismos do orgasmo e da ejaculação. Disfunções hormonais podem acarretar alterações de libido
Às vezes além de tratamentos direcionados à queixa principal, o tratamento dos distúrbios da esfera sexual pode requerer também importantes alterações no estilo de vida do paciente.

Portanto, embora a compra de certas medicações seja totalmente liberada nos balcões das farmácias, apenas a avaliação médica adequada poderá discernir a respeito das principais causas do problema e orientar sobre as soluções mais adequadas e tratamentos de suporte.

 

"Busque uma boa qualidade de vida com nossos tratamentos      
conheça nossa clínica"

[ SAIBA MAIS ] 

NOTÍCIAS /

12/09/2017

Cálculos renais

Cálculos renais

Os cálculos renais ou pedras nos rins, são resultantes da agregação de sais normalmente presentes na urina, que é uma solução complexa.

Últimas notícias da Clínica Zequi

 

 

 

 

CONTATO /

+55 11 3887-7088 / 7458 / 9103

sac@clinicazequi.com.br

Rua Batataes, 391 • Jd. Paulista • 4º Andar - São Paulo • SP • CEP 01423-010

© COPYRIGHT 2017 - CLÍNICA ZEQUI - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

System Dreams Logo